Innovelle

Innovelle

Uma marca Natusvita Suplementos

A marca "Innovelle" oferece um inovador conceito de beleza, baseado em ativos nutriconcentrados que atuam de dentro para fora, conheça toda nossa linha de nutracêuticos com fórmulas únicas e especialmente desenvolvidas para cada necessidades nutricionais específicas.




Uma inovadora combinação de nutrientes que promove a microcirculação sanguínea auxiliando no tratamento da pele e do aspecto "casca de laranja", proporcionando ajuda no combate a celulite. 




Uma fórmula única com ingredientes sinérgicos que auxiliam a promover um efeito de "drenagem" de dentro para fora em cápsulas. Auxilia a delinear as pernas e o corpo através da eliminação de líquidos. 



Nutracêutico capilar que auxilia no fortalecimento, crescimento, brilho e volume dos cabelos, além de proporcionar mais saúde para as unhas. Faça como Carol Nakamura, a embaixadora e conheça toda linha de produtos da linha. Veja o vídeo com resultados e depoimentos no site www.inovele.com.br.




Exclusiva formulação com ingredientes seletos que auxiliam seu corpo a realizar sua funções orgânicas de forma correta, podendo diminuir medidas. Contém Bitartarato de Colina, Picolinato de Cromo, Magnésio, Tiamina, Riboflavina e Zinco. *O uso do produto deve ser combinado com uma dieta balanceada e exercícios físicos regulares. 



SolairePlus é uma formulação que contém Vitamina C, Vitamina E e o Betacaroteno que favorece os níveis e a produção de melanina. A melanina é a substância responsável por conferir cor à pele e manter o bronzeado por mais tempo.

SolaireProtection é um nutracêutico que ajuda na proteção solar por conter ingredientes indispensáveis para proteger a pele dos danos causados pela exposição excessiva ao sol, como licopeno, zinco, retinol e vitamina E.




Fórmula avançada com benefícios anti-idade. Favorece o processo de hidratação da pele e auxilia na prevenção do envelhecimento. Contém em sua formulação: Retinol, Riboflavina, Niacina, Tiamina e mais...

Produtos Digitais

Manual de Boas Práticas Farmacêuticas R$ 99,00

Manual de Boas Práticas Farmacêuticas para atender os requisitos da Resolução nº 44/09 da ANVISA e Resolução nº 357/01 do CFF, que dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias.
Normatizar o funcionamento da Empresa de forma a manter regras de Boas Práticas de Aquisição, Armazenamento, Conservação e Dispensação dos produtos comercializados e serviços prestados pelo estabelecimento. Normas elaboradas de acordo com as rotinas e para que o trabalho seja feito de uma maneira uniforme por todos.

Clique aqui para comprar o Manual de Boas Práticas Farmacêuticas


Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde R$ 99,00

O plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde tem o objetivo de definir medidas de segurança e saúde para o trabalhador, garantir a integridade física do pessoal direta e indiretamente envolvido e a preservação do meio ambiente.
Minimizar os riscos qualitativa e quantitativamente, reduzindo os resíduos perigosos e cumprindo a legislação referente à saúde e ao meio ambiente.

Clique aqui para comprar o Plano de Gerenciamento de Resíduos


COMBO Manual de Boas Práticas Farmacêuticas e Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde R$ 149,00

Manual de Boas Práticas Farmacêuticas para atender os requisitos da Resolução nº 44/09 da ANVISA e Resolução nº 357/01 do CFF, que dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias.
E plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde que tem o objetivo de definir medidas de segurança e saúde para o trabalhador, garantir a integridade física do pessoal direta e indiretamente envolvido e a preservação do meio ambiente.

Clique aqui para comprar o Combo Manual mais Plano

Novo Blog Assistência Farmacêutica

Olá, segue endereço da minha nova página onde vocês encontrarão os POPs para download: www.assistenciafarmaceutica.net
Qualquer dúvida estou a disposição.

Atenciosamente.

Treinamento de Funcionários


Treinamento de Funcionários


TREINAMENTO Nº. 001/2012
ASSUNTO: APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS
RESPONSÁVEL PELO TREINAMENTO: Farmª. XXX

RELAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS QUE RECEBERAM O TREINAMENTO:
1
2


Eu, XXX, autorizo as funcionárias XXX e XXX a realizarem as aplicações de injetáveis, restritas às vias Intra Dérmica (ID), Intra Muscular (IM) e Subcutânea (SC).
As aplicações serão registradas no livro de Registro, localizado na 2ª gaveta do balcão localizado na sala de aplicação de injetáveis.
Em caso de reações adversas, proceder da seguinte maneira:
- Nas reações adversas dependentes de dose elevada e/ou uso prolongado, reduzir a dose ou suspender o medicamento e administrar medidas sintomáticas.
- Nas reações alérgicas leves, administrar anti-histamínicos.
- As reações anafiláticas graves requerem tratamento de emergência com adrenalina (subcutânea ou endovenosa) e corticóides endovenosos, reposição hídrica e alcalinização com bicarbonato de sódio.


Data:

Assinaturas dos participantes:
1
2


Responsável Técnico

POP 017 - Limpeza da caixa d’água e do reservatório de água

Limpeza da caixa d’água e do reservatório de água


1. Objetivo: limpar a caixa d’água a cada seis meses conforme legislação vigente e garantir a qualidade da água que chega através dos sistemas de abastecimento, mantendo as condições higiênicas.

2. Áreas envolvidas: área de limpeza.

3.Responsabilidades: é de responsabilidade do profissional de serviços gerais realizar a limpeza da caixa d’água.

4. Material necessário: balde, escova de limpeza, hipoclorito de sódio, luvas, pano e rolha.

5. Procedimentos:

a. Feche o registro geral.

b. Esvazie a caixa d’água abrindo as torneiras, apertando a descarga ou abrindo o expurgo.

c. Quando o volume da água estiver a 15 cm do fundo da caixa, utilizando luvas de borracha, feche o expurgo do reservatório e as torneiras e tampe a saída da água com uma rolha.
d. Comece a limpeza com a própria água que sobrou, usando somente escova. Não use sabão, detergentes ou produtos químicos.
e. Remova a água suja através do expurgo ou com auxílio de baldes e panos limpos.
f. Com o expurgo aberto, abra a entrada da água na boia ou registro geral para lavar com água corrente as paredes já escovadas.
g. Com a caixa cheia, adicione 2 litros de HCl para cada 1000 litros de água e deixe descansar por 2 horas.
h. Feche novamente o registro ou tranque a boia, impedindo que a água entre na caixa d’água.
i. Abra as torneiras e dê descarga até esvaziar totalmente o reservatório. Esta água também servirá para desinfetar os canos.
j. Feche as torneiras, abra a entrada da água e deixe encher a caixa d’água.
k. Lave a tampa e feche totalmente a caixa, anotando a data em que a limpeza foi realizada em livro de registro específico.

6. Referências bibliográficas:

Portaria MS n.º 518, de 25 de março de 2004.

POP 016 - Realização de Pequenos Curativos

Realização de Pequenos Curativos



1. Objetivo: padronizar o procedimento de realização de pequenos curativos.

2. Áreas envolvidas: área de atenção farmacêutica.

3.Responsabilidades: é de responsabilidade do profissional farmacêutico a realização de pequenos curativos.

4.Material necessário: álcool 70%, atadura, esparadrapo e/ou micropore (conforme extensão da lesão), gazes, luvas cirúrgicas, pinça anatômica, soro fisiológico 0,9% e solução tópica prescrita.
5. Procedimentos:

a. Realizar a assepsia das mãos conforme POP 001 e calçar as luvas cirúrgicas.

b. Explicar ao cliente a finalidade do tratamento e como será realizado.

c. Preparar o ambiente de forma organizada.

d. Preparar o material esterilizado, colocando-o em um campo estéril.

e. Colocar o cliente em posição adequada e expor a região.

f. Retirar o curativo anterior, se houver; se estiver aderido à pele, molhar a gaze com solução salina estéril.

g. Com a mão enluvada, estéril, não contaminada, fazer a inspeção da lesão.

h. Desprezar a luva contaminada e colocar outro par estéril.

i. Pegar a pinça e a gaze elevando a extremidade a ser pega por baixo do pacote com as mãos limpas, evitando contaminação do material.

j. Limpar a lesão com S.F. 0,9%, da área menos contaminada para a mais contaminada. OBS.: Não cruzar o material nem conversar sobre a lesão durante o proce­dimento, usar os lados limpos da gaze. Fazer movimentos circulares na limpeza da ferida.

k. Ocluir o local conforme característica da lesão e solução tópica prescrita. Sempre que possível cobrir a ferida apenas com micropore após a utilização da solução tópica.

l. Desprezar as luvas usadas e o material contaminado (atadura, esparadrapo e/ou micropore e gazes) em recipiente adequado com símbolo e inscrição de resíduo biológico e a pinça utilizada em solução desinfetante por 30 minutos.

m. Lavar as mãos.

n. Anotar o procedimento em livro específico.

o. Entregar ao cliente a declaração de serviço farmacêutico realizado.

p. Realizar a desinfecção da bancada de trabalho com álcool 70% antes e depois de cada procedimento.

6. Referências Bibliográficas:

MOTTA, A. L. C. Normas, Rotinas e Técnicas de Enfermagem. 4. ed. São Paulo: Iátria, 2006.

POP 015 - Aferição da Pressão Arterial

Aferição da Pressão Arterial



1. Objetivo: padronizar o procedimento de aferição da pressão arterial.

2. Áreas envolvidas: área de atenção farmacêutica.


3.Responsabilidades: é de responsabilidade do profissional farmacêutico a monitorização da pressão arterial.


4. Material necessário: monitor de pressão arterial semi-automático.


5. Procedimentos:  
  • Realizar a assepsia das mãos conforme POP 001.
  • Explicar o procedimento ao cliente.
  • Certificar-se de que o cliente não está com a bexiga cheia, não praticou exercícios físicos e não ingeriu bebidas alcoólicas, café, alimentos ou fumou até 30 minutos antes da medida.
  • Deixar o cliente descansar por 5 a 10 minutos em ambiente calmo, com temperatura agradável.
  • Retirar qualquer roupa que aperte o braço do cliente.
  • A pressão arterial é medida com o cliente sentado, com o braço repousado sobre uma superfície firme. O esforço do usuário para apoiar o seu braço poderá aumentar a pressão sangüínea. Se a braçadeira ficar consideravelmente abaixo ou acima da altura do coração, será medida uma pressão arterial erroneamente alta ou baixa. Uma variação de 15 cm entre a braçadeira e a altura do coração pode resultar num erro de leitura de 10 mmHg. Braçadeiras que não se ajustam adequadamente produzem medições incorretas. A seleção do tamanho, que é de extrema importância, irá depender da circunferência do braço a qual se destina. As braçadeiras possuem impressa a faixa de variação de circunferências de braço a qual se destinam. A braçadeira padrão que acompanha o monitor se adequa a braços com circunferências situadas entre 22 a 32 cm. Uma braçadeira frouxa, apertada demais ou mal posicionada produz medições incorretas. Medições repetidas sem intervalos de descanso fazem com que o sangue acumule no braço. Isso pode levar a resultados incorretos. As medições devem ser feitas depois de um repouso de cinco minutos para assegurar a sua exatidão.
  • Tomar as medições sempre no mesmo horário do dia, já que a pressão sangüínea muda com o decorrer do dia, e sempre no mesmo braço.
  • Passar a extremidade da braçadeira pelo anel de metal de modo que ela dê uma volta. O fecho de velcro deverá ficar virado para fora.
  • Colocar a braçadeira sobre o braço de modo que o tubo fique próximo ao antebraço.
  • Certificar-se de que a extremidade inferior da braçadeira fique aproximadamente entre 2 e 3 cm acima do cotovelo e de que o tubo está mais próximo da parte interna do braço.
  • Ligar o instrumento pressionando o Botão Liga / Desliga / Memória. Vários ícones irão aparecer no visor durante dois segundos: Dois sinais sonoros curtos seguirão para indicar que o instrumento está pronto. O mostrador indicará um “0”.
  • A pera deverá ser inflada pressionando continuamente a pera até uma pressão de pelo menos 40 mmHg acima da pressão sistólica esperada. Se você não souber o valor dessa pressão, inflar até um valor aproximado de 160 – 180 mmHg. A pressão da braçadeira é indicada continuamente no visor.
  • Após ter terminado de inflar a pera, peça ao cliente permanecer sentado numa posição quieta e relaxada. Nesse momento a medição prossegue sozinha.
  • Caso não ocorra qualquer medição e aparecer somente no mostrador uma seta apontada para cima piscando, pressione novamente a pera e infle a braçadeira até conseguir uma pressão de 20 mmHg maior que o início. A instrução para inflar mais poderá aparecer várias vezes se a pressão ainda não for suficiente.
  • Quando o instrumento detectar a freqüência cardíaca, o símbolo do coração começará a piscar no visor e poderá ser ouvido um sinal para cada batimento do coração e após a medição for concluída soará um sinal longo. Os valores da pressão arterial sistólica e diastólica medidos, bem como o da freqüência cardíaca, serão mostrados então. A pressão da braçadeira poderá, então, ser rapidamente liberada, pressionando-se a válvula de deflação.
  • Anotar a pressão obtida na carteirinha de controle da pressão do cliente.
  • Registrar o procedimento em livro específico.
  • Entregar ao cliente a declaração de serviço farmacêutico realizado.
  • A pressão arterial é muito alta se, em repouso, a pressão diastólica for superior a 90mmHg e/ou a pressão sistólica for superior a 160mmHg. Nesse caso, instruir o cliente a consultar o médico imediatamente. Medidas desse nível durante um longo período de tempo ameaçam o coração devido aos danos contínuos causados aos vasos sangüíneos do corpo.
  • Se a braçadeira for inflada demais (acima de 300 mmHg), irão aparecer no visor as letras “HI” e será ouvido um sinal sonoro de aviso. A pressão da braçadeira deverá ser imediatamente liberada com o uso da válvula de deflação, a braçadeira deverá ser retirada e aguardado pelo menos uns 5 minutos antes de iniciar outra medição.
  • Caso seja necessário interromper a medição da pressão arterial por qualquer razão, pressionar a válvula de deflação. O dispositivo diminuirá imediatamente a pressão da braçadeira. Para garantir medições adequadas, as medições não deverão ser feitas em seqüências com intervalos pequenos entre as mesmas. Esperar pelo menos um minuto antes de repetir uma medição.
  • Se ocorrer qualquer erro durante uma medição, a mesma será interrompida e será indicado um código de erro correspondente:
  • - ERR 1: A pressão sistólica foi determinada. O tubo de conexão da braçadeira pode ter se afrouxado ou o pulso pode não ter sido encontrado. Assegure-se de que as conexões da braçadeira estão firmes e de que a braçadeira foi colocada adequadamente.

    - ERR 2: Impulsos de pressão incomuns. Motivo: O braço foi movimentado durante a medição. Repita a medição mantendo o braço parado.

    - ERR 3: O tempo para inflar a braçadeira foi muito longo, a braçadeira foi incorretamente posicionada ou as conexões não estão firmes. Verifique as conexões, a posição da braçadeira e repita a medição com o braço parado.

    - ERR 5: A diferença entre a pressão sistólica e diastólica é excessiva. Meça novamente, com cuidado, seguindo os procedimentos adequados para a braçadeira e faça a medição em condições tranqüilas.

    - HI: A pressão na braçadeira está muito alta (superior a 300 mmHg) ou o pulso é demasiadamente alto (superior a 200 BPM). Aguardar por cinco minutos e repita a medição.

    - LO: A pulsação está muito baixa (inferior a 40 batimentos por minuto) ou está abaixo da pressão mínima que o instrumento mede (30 mmHg). Repita a medição seguindo cuidadosamente as instruções.
  • Para a manutenção do aparelho não expô-lo a temperaturas muito elevadas, umidade, poeira, ou à luz do sol direta. A braçadeira contém uma bolsa de ar (manguito) muito sensível. Manusear com cuidado e evitar qualquer tipo de compressão, torção ou dobra. Limpar o aparelho com um pano macio seco. Manchas na braçadeira poderão ser removidas cuidadosamente com um pano umedecido com água e espuma de sabão neutro. Manusear o tubo de conexão com cuidado. Não o puxe. Não permita que ele seja torcido ou colocado sobre superfícies cortantes. Não deixe o monitor cair e nem o trate de maneira rude. Evite vibrações fortes.

6. Referências Bibliográficas:

1. Manual do Usuário Monitor de Pressão Arterial Semi-Automático Pro Check.


2. MOTTA, A. L. C. Normas, Rotinas e Técnicas de Enfermagem. 4. ed. São Paulo: Iátria, 2006.